Política

Imunidade parlamentar: deputados criticam PEC e entram com ação no STF

Votação para a presidência da Câmara dos Deputados
Votação para a presidência da Câmara dos Deputados

Parlamentares de diversos partidos criticaram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 3, de 2021, apelidada de PEC da Impunidade, cuja admissibilidade foi aprovada nessa quarta-feira (24/2), por 304 votos a 154, na Câmara dos Deputados.

Caso não seja retirada da pauta, a proposta que cria novas regras para a imunidade parlamentar e prisão de deputados e senadores será votada nesta quinta-feira (25/2) no plenário da Casa.

No entanto, por se tratar de proposta que altera a constituição, siglas contrárias à PEC defendem que a discussão ocorra na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Antes da sessão plenária que vai analisar a PEC, marcada para começar às 15h, o colégio de líderes da Câmara se reúne para discutir o assunto.

Entre os partidos cuja maioria foi contrária a admissibilidade da PEC estão o PT, Podemos, Cidadania, Novo, Rede e o PSol, que votou pela obstrução da pauta, instrumento utilizado para evitar ou atrasar votações.

Para que a PEC seja aprovada na Câmara e siga para análise do Senado Federal, serão necessários 308 votos favoráveis dos 513 deputados, apenas 4 a mais do obtido na votação dessa quarta. Já no Senado, seriam necessários 49 votos dos 81 senadores. A matéria ainda precisa ser analisada em dois turnos em ambas as Casas.

No Twitter, o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) afirmou estar trabalhando “incansavalmente” para modificar o texto “absurdo” da PEC. Ao Metrópoles, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) disse que o partido também está trabalhando “para retirar a inconstitucionalidade da proposta”.

A maioria do Partido dos Trabalhadores na Câmara votou contra a admissibilidade da PEC, mas alguns votos favoráveis, como o de Gleisi Hoffman (PT-PR), presidente nacional do partido, contrariam a decisão da sigla. “O texto tinha uma série de inconstitucionalidades, mas estamos trabalhando para retirar isso. Então, não posso garantir que seremos contrários à proposta no futuro também”, disse Teixeira.

Além disso, dois deputados já protocolaram mandados de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a decisão. Kim Kataguiri (DEM-SP) entrou com uma ação argumentando que o texto “violaria o direito de um cidadão comum de processar um parlamentar que cometesse crime contra honra na tribuna”. Na proposta, a única punição prevista a congressistas que emitirem ofensas ou falsas imputações de crime é a responsabilização no conselho de ética.

Já Alexandre Frota (PSDB-SP) entrou com o Mandado no STF em virtude da “falta de discussão da matéria”, criticando também a forma de tramitação do projeto na Casa. “Não podemos admitir que matéria de tamanha relevância seja aprovada a toque de caixa, e que ainda fere a Constituição Federal ao dar aos deputados maior imunidade parlamentar”, disse Frota, em nota.

Já o vice-líder do Cidadania na Câmara, Daniel Coelho, afirmou que o partido vai manter a posição contrária à PEC, mas que descarta a possibilidade de judicialização da proposta. “No momento, a gente quer fazer o debate dentro do Parlamento. Com o processo concluído, a gente analisará se tem alguma coisa que precisa ser judicializada. Mas não é bom trazer algumas decisões da Câmara para outros poderes”, disse o vice-líder, ao Metrópoles, nesta manhã.

Coelho acredita que o presidente do Congresso e do Senado, Rodrigo Pacheco, não deve aceitar a discussão sem antes passar em alguma comissão. “Posso até estar enganado, mas não consigo enxergar o Senado aceitando esse tipo de votação [como ocorreu na Câmara]”, acrescentou.

“Isso [a PEC] deveria ser enviado para a CCJ, para designar um relator, fazer audiência pública. Mudar a constituição não é brincadeira, ainda mais do jeito que está sendo feito. O debate ainda pode ocorrer, não é ruim para a sociedade discutir isso, mas precisa ser na CCJ, para se debater a constitucionalidade da matéria em parceria com a sociedade”, afirmou Daniel Coelho. Para o parlamentar, se o PT e o PCdoB mantiverem suas posições na próxima votação, é baixa a probabilidade de a PEC ser aprovada no 1º turno na Câmara.

O conteúdo da PEC e a rapidez com que foi elaborada também geraram reações negativas fora do Parlamento, por advogados e especialistas da área. Para os críticos, a proposta aumenta a imunidade dos parlamentares, dificultando prisões e relaxando regras da Lei da Ficha Limpa.

O que diz a proposta

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria novas regras para a imunidade parlamentar e para a prisão de deputados e senadores será discutida em plenário. A PEC teve sua admissibilidade constitucional aprovada na quarta-feira, também no plenário da Casa. Normalmente, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara seria responsável por analisar a constitucionalidade da medida, mas a CCJ ainda não deu início aos trabalhos neste ano.

De autoria do deputado Celso Sabino (PSDB-PR), a PEC  é uma reação ao caso do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que teve prisão determinada na semana passada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A Câmara manteve a decisão, mas o presidente da Casa, Arthur Lira, agora quer mudar as regras previstas na Constituição sobre prisão de parlamentares.

A PEC amplia os limites da imunidade parlamentar. O autor justifica a necessidade da mudança constitucional sob alegação de que é necessário impor um “freio de arrumação” em “desequilíbrios” na relação com o Judiciário.

Entre as propostas, o texto dispõe que só será permitida a aplicação de medidas cautelares contra parlamentares, tal como afastamento de um deputado, após decisão da maioria do plenário do STF.

“Medidas cautelares que interfiram no mandato parlamentar — e que são, por essa razão, gravíssimas — terão a produção de seus efeitos condicionadas à ratificação da respectiva decisão pelo plenário do STF”, estabelece a redação da PEC.

Outro ponto polêmico é o que condiciona a uma decisão da Câmara ou do Senado à análise, por parte da polícia ou da Justiça, de materiais apreendidos em operações policiais no Congresso ou nas residências de parlamentares.

A PEC ainda obriga que a Polícia Legislativa seja informada e acompanhe as operações, quando ocorrerem nas dependências do Congresso.

O texto também define que locais e condições para a prisão dos parlamentares em caso de flagrante serão também decididos pela Câmara ou pelo Senado — e não mais por magistrados. A ideia é delegar essa responsabilidade às comissões de Constituição e Justiça das duas Casas.

Repercussão

Durante as discussões no plenário, ainda na quarta-feira, parlamentares reclamaram da atitude de Lira. “Mudanças na Constituição não podem ser feitas dessa forma”, declarou o deputado Fábio Trad (PSD-MS).

A deputada Fernanda Melchionna (PSol-RS) também foi contra a proposta. “É um desrespeito com o povo que a Câmara coloque a “PEC da Impunidade” em votação dias depois da prisão de Daniel Silveira. Se estivesse valendo, ele não estaria preso”, escreveu a deputada, na rede social.

Entre os congressistas, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Simone Tebet (MDB-MS) também se posicionaram contrários a proposta. “Se chegar ao Senado, lutarei com todas as forças para detê-la!”, escreveu o líder do Rede no Senado.


Mais na seção Política

vice-primeiro-ministro, Alejandro Gil / prensa cubana reprodução Metrópoles
Política

China doa US$ 100 milhões a Cuba e fecha outros acordos

Entre os acordos bilaterais estão a reestruturação da dívida cubana, modernização da imprensa e melhoria do setor de geração de energia

Elon-Musk-Twitter
Política

Elon Musk diz que poderá apoiar “rival” de Donald Trump em 2024

Ron DeSantis poderá ser o candidato do Republicano nas eleições presidenciais de 2024. Agora ele já tem o apoio de Elon Musk

jarbas-vasconcelos.jps_ (1)
Política

Jarbas Vasconcelos se licencia do Senado para tratamento de saúde

O senador pernambucano, de 80 anos, pediu para deixar a Casa. O suplente, Fernando Dueire, assume a vaga

Maura Healey
Política

Massachusetts elege a 1ª governadora abertamente lésbica dos EUA

Maura Healey derrotou o republicano Geoff Diehl, apoiado pelo ex-presidente Trump. Os norte-americanos participam de eleição de meio mandato

Al Gore COP27/ tt reprodução
Política

Al Gore diz que brasileiros escolheram “parar de destruir a Amazônia”

Sem criticar diretamente Jair Bolsonaro (PL), o ex-vice-presidente dos EUA mencionou o resultado das eleições brasileiras

meloni mattarella / divulgação palácio Quirinale
Política

Georgia Meloni, da extrema-direita, é indicada para premier da Italia

Meloni indicou como ministro da Economia Giancarlo Giorgetti, que esteve à frente do Desenvolvimento Econômico do governo de Mario Draghi

Donald Trump Holds “Keep America Great” Campaign Rally In Dallas
Política

Trump é intimado a depor ao Congresso por invasão do Capitólio

Além de esclarecimentos, o comitê bipartidário pediu ao ex-presidente que entregue uma série de documentos referentes ao ocorrido

steve bannon
Política

Steve Bannon é condenado a 4 meses de prisão por desacato ao Congresso

Ex-estrategista de Donald Trump terá que pagar US$ 6,5 mil em multas; pena aplicada é mais leve do que a pedida pela promotoria americana

Boris Johnson 3
Política

Boris Johnson surge como cotado para ser premiê no Reino Unido de novo

Ex-ministro das Finanças Rishi Sunak é o principal rival de Johnson. Disputa ocorre após a renúncia de Liz Truss na quinta-feira

Internacionalista Rodrigo Reis
Política

Especialista avalia o governo de Liz Truss como “catastrófico”

Em entrevista ao Boletim Metrópoles, o internacionalista Rodrigo Reis afirma que o mandato da agora ex-primeira-ministra desagradou a todos


TheSandman
Televisão

Saiba quais foram as séries mais pesquisadas no Google em 2022

À esquerda, o narrador Vinicius Rodrigues, da Globo; à direita, o assessor Vinicius Rodrigues, da CBF, que arrancou um gato durante coletiva de Vini Jr. – Metrópoles
Televisão

Narrador é confundido com assessor que arrancou gato e sofre ameaças

À esquerda, Rafinha Bastos; à direita, Wanessa Camargo – Metrópoles
Televisão

Rafinha Bastos se anima com Wanessa no BBB23 e pede vaga a Boninho

Glória Maria
Televisão

Entenda por que Glória Maria não aparece na Globo há quatro meses

À esquerda, Sonia Abrão no A Tarde É Sua; à direita, Tirullipa assedia mulheres na Farofa da Gkay – Metrópoles
Televisão

Tirullipa merece “bifa na cara” por assédio na Farofa, diz Sonia Abrão

A atriz Claudia Raia em participação no Encontro – Metrópoles
Televisão

Claudia Raia revela que sofreu convulsão na praia: “Desmaiei na areia”

Servant
Televisão

Servant 4ª temporada: trailer completo é divulgado pela Apple TV+

Daisy Jones & The Six Daisy Jones & the Six – Metrópoles
Televisão

Daisy Jones & The Six: Prime Video anuncia data de estreia da série

Poster de Olhar Indiscreto
Televisão

Série nacional Olhar Indiscreto, sobre sexo e mistério, chega em 2023

Cara e Coragem
Televisão

Cara e Coragem: Ítalo e Clarice descobrem podres do passado de Danilo

Catia Fonseca encena susto no programa Que História É Essa, Porchat? – Metrópoles
Televisão

Catia Fonseca revela que foi flagrada em pegação no estacionamento

Rodrigo Bocardi sorri ao olhar para a câmera no estúdio do Bom Dia SP – Metrópoles
Televisão

Bocardi deixa lata cair ao vivo e brinca: “Não foi cerveja do Bonner”

Travessia
Televisão

Travessia: Brisa assume uma postura violenta diante de Oto

Gloria Maria
Televisão

Gloria Maria é afastada da TV para cuidar da saúde

Travessia – Brisa – Ari – Oto
Televisão

Baixa audiência em Travessia faz Gloria Perez modificar o roteiro

mariana-bridi-rafael-cardoso
Televisão

Mariana Bridi sofreu gordofobia antes de se separar de Rafael Cardoso

Catia Fonseca
Televisão

Catia Fonseca se emociona ao exibir reportagem sobre depressão

Luciano Huck
Televisão

Luciano Huck se desculpa após questão sobre George Floyd no Domingão

Fernanda Paes Leme, em foto antiga, abraça Marcia Manfredini – Metrópoles
Televisão

Fernanda Paes Leme relembra parceria com Márcia Manfredini em série

Cara e Coragem
Televisão

Cara e Coragem: Clarice atiça Ítalo e o clima esquenta entre os dois